A violência e o poder das armas utilizadas pelos criminosos durante o assalto a um carro-forte na última sexta-feira (27), na BR-153, entre as cidades de Guaraí e Presidente Kennedy, impressionaram os policiais do Tocantins. Entre os fuzis usados estava um armamento de uso exclusivo do Exército, capaz de derrubar até um avião. (Veja o vídeo)

“Foram pessoas utilizando artilharia de guerra, de munição ponto 50, artilharia antiaérea, fuzil calibre 762. Além dessa munição de guerra, também a utilização de explosivos”, explicou o delegado da Delegacia Especializada em Investigações Criminais, Wanderson Chaves.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, três assaltantes participaram da ação. Primeiro, eles pararam um carro de passeio e incendiaram o veículo para bloquear a pista. Houve forte tiroteio na região. Eles atacaram o carro-forte e usaram explosivos para abrir o veículo. Os homens conseguiram levar malotes de dinheiro e fugiram em um outro carro que roubaram no local.

Investigação de assalto a carro-forte no interior será feita por delegacia da capital

As investigações vão ficar sob a responsabilidade de policiais especializados em crimes que envolvem instituições financeiras. “As condições periciais, as requisições já foram realizadas e agora nós já estamos nessa parte investigativa para termos a noção de quem são os autores dessa ação criminosa”, explicou o delegado.

Para a polícia, os seguranças só não se feririam porque abandonaram o carro-forte, já que os criminosos pareciam estar dispostos a explodir o veículo mesmo com eles dentro.

Até agora, os policiais sabem que eram três homens envolvidos diretamente na ação e que eles fugiram a pé pela zona rural de Guaraí. O delegado tem 30 dias para concluir as investigações.

Carro-forte foi atacado por criminosos na BR-153 (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Carro-forte foi atacado por criminosos na BR-153 (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Delegado baleado

Durante as investigações desse assalto, o delegado da Polícia Civil, Marivan da Silva Souza, foi baleado por policiais militares em Guaraí,após ser confundido com um criminoso.

No dia, o delegado, que está há três meses na Polícia Civil, havia saído de Colméia, onde mora, em direção a Guaraí. Ele contou ao G1 que estava desarmado e trafegava em um carro cedido judicialmente para uso da polícia. Já os policiais militares ocupavam um carro preto descaracterizado e estavam sem uniforme da polícia.

“Estava andando devagar na avenida [Guaraí], não estava correndo, até porque o trânsito estava movimentado, quando ouvi um barulho. Encostei o carro e saí, só depois percebi que tinha sido baleado. Me falaram para deitar no chão e apontaram as armas. Aí falei que eu era delegado. Eu estava desarmado”

Ele contou também que no momento chegaram pessoas conhecidas, que confirmaram a identidade dele. Sem entender de fato o que ocorreu e evitando causar polêmicas, o delegado disse que vai deixar que o caso seja investigado.

O Comando Geral da PM ainda não se posicionou, mas em nota, a Turma de Oficiais do Quadro Combatente disse que o delegado estava em alta velocidade e desobedeceu a ordem de parada. Informou ainda que a camionete usada pelo delegado tinha as mesmas descrições de um veículo encontrado com assaltantes de banco em janeiro deste ano, em Itaporã.

G1 questionou a Secretaria de Segurança Pública do Tocantins sobre a situação do veículo e aguarda um posicionamento.

Delegado foi baleado em Guaraí (Foto: Divulgação)

Delegado foi baleado em Guaraí (Foto: Divulgação)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA