Curiosidades: Dossiê: Por que a anestesia é um dos maiores mistérios médicos dos últimos tempos?

0
283

A anestesia foi um grande avanço médico, nos permitindo perder a consciência durante uma cirurgia e também em outros procedimentos dolorosos.

  Quando alguém recebe um anestésico, sua atividade cerebral e a cognição continuam funcionando, mas a consciência simplesmente desliga. Por exemplo, alguns experimentos com ratos mostram que eles são capazes de “lembrar” perfeitamente de odores mesmo estando anestesiados. É por isso que o anestesiologista Stuart Hameroff, da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, é tão fascinado por esse universo.O problema é que nós não temos muita certeza de como ela funciona. Entretanto, agora, com alguns estudos, estamos cada vez mais perto de resolver essa questão, e juntamente com ela, o próprio mistério da nossa consciência.

121-3

“Anestésicos apagam pedaços da consciência de maneira bastante seletiva, poupando atividade cerebral não-consciente“, disse Hameroff. “Assim, o mecanismo de ação do anestésico precisa ser direcionado para o da consciência”. Por isso, hoje, as chances de algo ruim acontecer enquanto estamos anestesiados são extremamente pequenas. Porém, nem sempre foi assim.

  De fato, a área da anestesiologia já percorreu um longo caminho desde 1846, quando o médico William Morton, no Hospital Geral de Massachusetts, realizou uma pequena cirurgia de retirada de um tumor na boca de um homem. Para diminuir a dor, ele usou uma garrafa de éter como inalador e o paciente ficou totalmente inconsciente. Nesse momento, a anestesia começou a realmente ganhar importância em procedimentos cirúrgicos.

121-2

Aproximadamente em 1940, a visão da anestesia como uma proposta arriscada ainda era muito recorrente. Naquela época, uma em cada 1.500 mortes foram atribuídas à anestesia perioperatória. Esse número, desde então, reduziu bastante com o tempo, principalmente por conta da melhora das técnicas e dos produtos químicos utilizados, dos padrões de segurança e do influxo de anestesistas credenciados. Hoje, as possibilidades de um paciente saudável sofrer uma morte por conta da anestesia é inferior a 1 em 200.000. Isso equivale à chance de 0,0005% de haver uma fatalidade.

Deve ser salientado, no entanto, que “paciente saudável” é o termo operativo. Na realidade, as mortes relacionadas com a anestesia estão em ascensão em outras áreas e idades, e o envelhecimento da população tem muito a ver com isso. Depois de décadas de declínio, a taxa de mortalidade em todo o mundo aumentou.

wpid-propofol-group

Durante o efeito da anestesia, há cerca de 1,4 mortes em 200 mil, em pacientes considerados “não saudáveis”. De forma alarmante, o número de mortes dentro de um ano após uma anestesia geral é perturbadoramente alto: cerca de 1 em cada 20 pessoas acima de 65 anos. O anestesista André Gottschalk diz que as taxas aumentaram porque há mais idosos sendo operados, considerando que a anestesia pode ser estressante para pessoas com problemas cardíacos ou com a pressão arterial elevada.

Entretanto, há outros perigos associados à anestesia. Ela pode induzir uma condição conhecida como delírio pós-operatório, um estado de confusão grave e perda de memória. Após a cirurgia, alguns pacientes se queixam de alucinações, adquirem problemas para responder perguntas, repetem muitas coisas e esquecem por que estão no hospital. Estudos têm mostrado que cerca de metade dos pacientes com 60 anos ou mais sofrem com esse tipo de delírio. Esta condição, normalmente, se resolve após um ou dois dias. Contudo, para algumas pessoas, tipicamente aquelas com idade superior a 70 anos e com um histórico de déficits mentais, uma alta dose é suficiente para resultar em problemas crônicos de atenção e memória, que podem durar meses ou anos.

4146

Os pesquisadores especulam que isso se deve não à qualidade dos anestésicos, mas sim à quantidade. E este não é um problema fácil de resolver: quando a quantidade de anestésicos não é suficiente, o paciente pode acordar no meio do processo; e quando ela está em excesso, pode matá-lo. É um equilíbrio difícil de alcançar, porque, como a escritora Maggie Koerth-Baker aponta: “A consciência não é algo que podemos medir“.

Normalmente, a anestesia é aplicada com uma injeção contendo um medicamento chamado propofol, que dá uma transição rápida e suave para a inconsciência. Para operações mais longas, é adicionado um anestésico inalatório chamado isoflurano para garantir que o paciente não irá acordar. Mesmo sendo medicamentos comuns e sejam conhecidos seus efeitos, os neurocientistas ainda não possuem certeza de como esses produtos químicos funcionam na consciência. É aí que a neurociência aparece tentando iluminar esse mistério.Em um estudo, alguns pacientes receberam propofol, e outros, vários gases anestésicos. Na manhã após a cirurgia, 16% que recebeu a anestesia fotossensível exibiam confusão, em comparação a 24% que foi anestesiado normalmente. Da mesma forma, 15% dos pacientes que já tinham um histórico mental complicado permaneceram por pelo menos três meses no hospital se recuperando dos danos causados. Para ajudar a aliviar estes efeitos, os médicos são encorajados a falarem com seus pacientes durante a anestesia regional e garantir que eles estejam bem nutridos e hidratados, melhorando o fluxo de sangue para o cérebro durante a cirurgia.

Os pesquisadores precisam traçar os correlatos neurais da consciência (NCCs), que são variações na função cerebral que podem ser observados quando uma pessoa vai de consciente ao inconsciente. Estes NCCs podem ser ondas cerebrais, respostas físicas, sensibilidade à dor, enfim, só precisam ser diretamente relacionadas com a consciência.

Os cientistas sabem há algum tempo que a potência anestésica se correlaciona com a solubilidade em um ambiente. Para isso, eles incapacitam várias proteínas diferentes que agem na superfície dos neurônios, que são essenciais para a regulação do sono, da atenção e da aprendizagem. Ou seja, as atividades neuronais são interrompidas em diversas regiões do cérebro que, em conjunto, provoca a inconsciência.

Onde fica o mistério então? O problema é que os neurocientistas não tinham sido capazes de descobrir qual (ou quais) região do cérebro é responsável por esse efeito. Há uma teoria chamada de “espaço de trabalho global” que influencia nessa explicação. Esse pensamento sustenta que a consciência é um fenômeno amplamente distribuído, onde a informação sensorial é recebida inicialmente em regiões separadas do cérebro, sem que estejamos conscientes disso. Estes sinais são transmitidos para uma rede neuronal que os distribuem por todo o cérebro e, a partir daí, ele começa a funcionar em sincronia.

Como o grau de sincronia é algo cuidadosamente calibrado, os anestésicos devem ser manipulados com igual cuidado a fim de perturbar essa harmonia. De fato, os anestésicos podem provocar a inconsciência, bloqueando a capacidade do cérebro de integrar corretamente as informações. A sincronia entre diferentes áreas do córtex (parte do cérebro responsável pela atenção, consciência, pensamento e memória) fica embaralhada e, então, a consciência é desligada. Segundo o pesquisador Andres Engels, a comunicação de longa distância fica bloqueada, de modo que o cérebro não consegue construir um espaço de trabalho geral. “É como se a mensagem chegasse na caixa de correio, mas ninguém viesse pegá-la”. O propofol, em particular, parece causar uma sincronia anormalmente forte entre outras regiões do cérebro e o córtex primário. Quando muitos neurônios disparam em um ritmo fortemente sincronizado, não há espaço para a troca de mensagens específicas.

Complementando essa ideia, pesquisadores da Universidade da Califórnia dizem que o retorno da atividade cerebral consciente ocorre em grupos distintos, como se fosse um agregado de computadores que não ligam ao mesmo tempo. Isso não é de um todo ruim, já que algumas partes, quando religadas, dão impulso para outras ligarem em seguida, e é assim vai até que a consciência seja plenamente reestabelecida. “A recuperação de uma anestesia não é simplesmente o resultado da retirada do medicamento do corpo da pessoa, mas também é um trabalho árduo para o cérebro encontrar o caminho de volta por meio de um labirinto de possíveis estados de atividade, que permitem a atuação da consciência”, observou o pesquisador Andrew Hudson. “Simplificando, é como se o cérebro reiniciasse”.

Há também o trabalho de Stuart Hameroff que deve ser ressaltado, embora sua abordagem sobre a consciência ainda seja especulativa. Tendo base um estudo feito por Rod Eckenhoff na Universidade da Pensilvânia, a pesquisa demonstrou que os anestésicos agem em microtúbulos, polímeros extremamente pequenos de proteínas de forma cilíndrica que fazem parte do citoesqueleto celular. Juntamente com Travis Craddock, Hameroff colocou a possiblidade dos anestésicos se ligarem aos microtúbulos, afetando-os e desestabilizando-os, o que explicaria, então, a disfunção cognitiva relacionada à anestesia.

De fato, existem estudos sobre o cérebro dos mais variados tipos e, definitivamente, ainda há um caminho longo para percorrer. Provavelmente, será por meio de pesquisas com base em respostas conscientes que poderá ser possível, um dia, chegar a compreender melhor aquilo que chamamos de mente.

 

Fonte: jornalciencia

Gostou? Curte, comente e compartilhe

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA