A imprensa francesa já o considera o “mendigo mais rico do mundo”. Um SDF (“sans domicilie fixe”, “sem domicílio fixo”, como são chamados os mendigos na França) de 50 anos pegou dois sacos repletos de dinheiro, com 300 mil euros, ao encostar numa porta aberta de um galpão do aeroporto internacional Charles de Gaulle – Roissy, em Paris.

Ele estava apenas revirando lixeiras atrás de comida, antes de encontrar uma porta aberta no depósito da empresa de transporte Loomis no terminal 2F do aeroporto internacional de Roissy [onde chegam os voos procedentes do Brasil].

Segundo o jornal “Aujourd’hui en France”, trata-se de “um roubo que entra imediatamente na categoria dos primeiros lugares da estupidez criminal”. O ato foi executado “com apenas duas armas: a sorte e a coragem”.

“O vagabundo se aproveitou de um concurso de circunstâncias para se dar um enorme presente de Natal”, disse um dos responsáveis pelo local ao “Aujourd’hui en France”. O roubo aconteceu às 17h30 de sexta-feira (8) nos corredores de entrega de mercadorias da empresa no terminal 2F.

O alarme soou no local onde são guardadas grandes somas de dinheiro e os policiais notaram que a porta havia sido deixada aberta. Ao assistirem as imagens das câmeras de segurança, um homem de fenótipo europeu, de mais ou menos 50 anos, revira lixeiras. Ele se apoia sobre uma porta e se mostra surpreso quando ela se abre. Imediatamente, o mendigo coloca sua mala no chão e entra no recinto.

Sem arma, sem ódio, sem violência

O jornal “Aujourd’hui en France” conta que, alguns minutos mais tarde, o mendigo sai do local carregando dois sacos cheios de dinheiro. Ele “acelera o passo, abandona sua mala e sai correndo em direção a uma via sem câmeras de segurança. A empresa Loomis é responsável por fornecer as notas de euros que circulam nos caixas eletrônicos da região.

“Resta compreender como as portas deste galpão, que deveriam estar trancadas, puderam se abrir tão facilmente”, diz o jornal. Contactada pela imprensa, a empresa foi incapaz de explicar o que poderia ter acontecido. As investigações continuam para encontrar o ladrão. “A única pista é que os policiais do aeroporto conhecem o homem”, explica o diário francês.

“Existem entre 50 e cem pessoas que vivem como ele, de revirar latas de lixo no aeroporto. Mas ele não deve estar precisando disso nesse momento”, finaliza “Aujourd’hui en France”.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA