Os quatro policiais militares que balearam um delegado da Polícia Civil após confundi-lo com um criminoso em Guaraí, na região central do Tocantins, vão responder ao processo em liberdade. A decisão é da juíza Célia Regina Regis, que entendeu que não há risco dos militares interferirem no andamento da investigação. Ela negou o pedido da defesa dos PMs para que o caso fosse transferido para à Justiça Militar.

A defesa dos militares Frederico Ribeiro dos Santos, João Luiz Andrade da Silva, Thiago Mariano Duarte Peres e Cleiber Levy Gonçalves Brasilino informou que eles já foram soltos e que devem voltar ao trabalho normalmente. Os advogados informaram ainda que vão recorrer da parte da decisão que manteve o processo na Justiça comum, já que no entender deles “Os militares estavam a serviço do Estado, trabalhando quando tudo aconteceu”.

A operação que resultou na confusão foi no dia 28 de outubro. Durante as buscas por uma quadrilha que assaltou um carro-forte na BR-153. Os PMs acabaram confundindo o delegado Marivan da Silva Souza, de Colmeia, com um criminoso. Marivan foi baleado três vezes e acabou perdendo parte da orelha.

Delegado perdeu parte de uma orelha após ser baleado (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Delegado perdeu parte de uma orelha após ser baleado (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Duas investigações independentes foram abertas para apurar o caso. Uma pelo Comando Geral da PM e outra pela Secretaria de Segurança Pública. O episódio gerou uma crise entre as polícias do Tocantins. Durante entrevista, o então chefe da Polícia Militar, Coronel Glauber de Oliveira Santos, chegou a dizer que a abordagem foi “padrão”. Após o caso, ele foi tranferido para a Secretaria de Cidadania e Justiça.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA