Veja as notícias de Guaraí nos principais sites do Brasil

0
89

Atendimento improvisado gera revolta em Guaraí; veja notícia completa no G1 Tocantins.

ASSISTA O VÍDEO NA ÍNTEGRA NO SITE DO G1 AQUI

g1

Fonte: g1

___________________________________________________________

Africanos são presos com moeda falsa no Tocantins

Homens foram presos quando demonstravam golpe para agente disfarçado.
Prisão aconteceu nesta terça-feira (27) em Guaraí.

apreensoes

Dois africanos de origem camaronesa foram presos nesta terça-feira (27) pela Polícia Civil deGuaraí, na região centro-norte do estado, por tentativa de estelionato. Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), Fodop Pierre, de 42 anos, e Nkongne Tankou Raymond, de 34 anos, estavam na cidade há uma semana e foram presos em um hotel quando estavam demonstrando para um agente disfarçado a transformação de notas de papel preto em cédulas de real, crime conhecido como ‘golpe da nota preta’.

Os policiais também apreenderam com os dois africanos algumas notas de real e moedas estrangeiras aparentemente verdadeiras, e outras que simulavam dinheiro. Além de papel preto, vários aparelhos celulares e apetrechos utilizados na aplicação do golpe.

A SSP pede para as pessoas que, por ventura, tenham sido vítimas dos golpistas, que procurem o complexo da Polícia Civil de Guaraí. Os dois homens foram encaminhados à Cadeia Pública de Guaraí.

Fonte: g1

____________________________________________________________

Mulheres são presas com quatro malas cheias de maconha no TO

Mulheres foram pegas com 74 tabletes de maconha em quatro malas.
Droga foi encontrada pela PRF de Guaraí em ônibus interestadual.

maconha_prf_em_16-10-15_ii

Duas mulheres foram presas pela Polícia Rodoviária Federal de Guaraí, por volta das 12h30, nesta sexta-feira (16), com cerca de 59 kg de maconha. Segundo a PRF, a droga estava distribuída em 74 tabletes dentro de quatro malas de viagem, no bagageiro de um ônibus de transporte interestadual.

A droga estava com uma vendedora de 37 anos e uma radiologista de 36 anos. Elas são moradoras do Pará, mas não tiveram os nomes revelados. Ainda segundo a polícia, elas informaram que receberam a maconha de uma outra mulher na rodoviária de Goiânia (GO) e levariam o produto até Ananindeua (PA). Pelo transporte, elas receberam R$ 2 mil. As mulheres foram encaminhadas para a central de flagrantes de Guaraí, na região centro-norte do Tocantins.

Fonte: g1

___________________________________________________________

Operação da Polícia Civil prende 15 pessoas por tráfico de drogas

Ação policial foi deflagrada em Guaraí, nesta quarta-feira (16).
Seis mulheres estão entre os presos; operação contou com 30 policiais.

Operação prendeu 15 pessoas por tráfico de drogas (Foto: Divulgação/SSP)

Uma operação da Polícia Civil em Guaraí, região central do Tocantins, prendeu 15 pessoas por tráfico de drogas e associação ao tráfico. Seis mulheres estão entre os presos. Também foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a operação Blackmau ainda apreendeu cerca de R$ 10 mil, uma camionete e um outro veículo oriundos do tráfico de drogas, além de um revólver calibre 32 e cocaína.

Ainda de acordo com a SSP, 30 policiais participaram da operação, que teve apoio das delegacias regionais de Miracema e Paraíso do Tocantins. Os suspeitos serão encaminhados à casa de Prisão Provisória de Guaraí.

“A operação ainda está em andamento e seis pessoas são consideradas foragidas, mas elas podem ser presas a qualquer momento”, disse o delegado Guido Camilo, responsável pela operação. Segundo ele, as investigações tiveram início ainda em 2013 e, desde então, 33 traficantes foram presos no município.

Dois carros foram apreendidos em operação (Foto: Divulgação/SSP)Dois carros foram apreendidos em operação 
Fonte: g1
___________________________________________________________

Homem constrói andador após acidente e tenta voltar a andar

Cleiton Rodrigues ouviu que não voltaria a andar após fraturar a coluna.
Ele construiu um andador de madeira em casa, para continuar tratamento.

Um morador de Guaraí, cidade da região centro-norte do Tocantins, desafiou a previsão de um médico e já começa a dar os primeiros passos após sofrer um acidente de trânsito e fraturar a coluna. Em 2010, Cleiton Rodrigues de Abreu, de 27 anos, voltava do trabalho quando a motocicleta na qual ele estava se chocou com um carro. Com o impacto da batida, o jovem fraturou duas vértebras da coluna (T6 e T7) e teve uma lesão medular.

Abreu precisou esperar mais de um mês para realizar a primeira cirugia e chegou a ouvir de um dos médicos que não voltaria a andar, mesmo após a operação. Mas depois de dois anos de “tratamento”, com um andador improvisado em casa, ele já consegue movimentar as pernas, utilizado o suporte como apoio. (Veja o vídeo)

De acordo com Abreu, após o acidente, ele foi socorrido por moradores da cidade e levado imediatamente para o Hospital Regional de Guaraí. Logo em seguida ele foi transferido para o Hospital Regional de Araguaína, na região norte do estado. Ele conta que esperou 35 dias até conseguir realizar a primeira cirurgia.

“Eles me preparavam para a operação e quando eu chegava no centro cirúrgico, me mandavam de volta para o quarto. Diziam que não tinha medicamento para fazer o procedimento ou que tinha algum paciente com mais urgência.”

Enquanto esperava pelo procedimento, o jovem chegou a ouvir um médico comentar que ele não voltaria a andar. “Ele nunca me disse isso diretamente, mas eu ouvi quando ele falou para um enfermeiro. Em seguida o enfermeiro me perguntou se eu conseguia movimentar os dedos dos pés e se sentia as pernas. Depois não tocou mais no assunto”, lembra.

"Nunca desisti de mim", diz Cleiton sofre tratamento após acidente (Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)
“Nunca desisti de mim”, diz Cleiton sobre
tratamento após acidente

Após a cirurgia, Abreu voltou para Guaraí e chegou a iniciar um acompanhamento com fisioterapeuta, mas por causa da ausência de um carro para leva-lo de casa para a fisioterapia, ele interrompeu o tratamento. Um ano após o acidente, Abreu se mudou para Goiânia, onde tem família, em busca de um tratamento melhor.

“Consegui ficar 60 dias internado no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo, onde foi realizada mais uma cirurgia para reajuste do procedimento feito em Araguaína. Lá também fiz fisioterapia por um tempo, recebia aplicações de botox e outros medicamentos que não encontro no Tocantins. Mas tive que voltar por falta de dinheiro. Nesse lugar me disseram para não me dar por vencido, porque meu quadro não era de alguém que seria cadeirante para sempre.”

De volta a Guaraí, o jovem decidiu continuar o tratamento em casa e improvisou um andador. “Eu tive a ideia de fazer o mesmo aparelho que via nas clínicas de reabilitação. Pedi ajuda para um amigo e juntos construímos um andador. O primeiro suporte foi feito de forma mais precaría, com troncos de árvores amarrados. Depois nós melhoramos e fizemos outro com madeira. “Esse é melhor porque sinto mais firmeza quando me apoio.” (Veja o vídeo)

Superação
Abreu conta que mesmo com o acidente e todas as dificuldades que enfrentou, nunca se sentiu deprimido e nem acreditou que fosse ficar em uma cadeira de rodas para sempre. “Minha lesão foi muito grave, mas desde o acidente nunca desisti de lutar, nunca desisti de mim. Decidi fazer os vídeos porque convivo com outros cadeirantes e gostaria de motiva-los. Mesmo sem condição para o tratamento, eu sempre busquei  fazer as fisioterapias sozinho, em casa e hoje eu estou vendo alguns resultados. Creio que vou conseguir.”

Abreu usa o andador há cerca de dois anos e não sabe dizer quando exatamente começou a andar. “Eu uso o andador todos os dias, por cerca de uma hora. Como é um processo lento e gradual, não sei dizer exatamente quando consegui realizar o primeiro movimento. Mas lembro que comecei mexendo os dedos e depois fui conseguindo ficar de pé.”

Apesar do otimismo, Abreu considera a possibilidade de não recuperar completamente os movimentos. “Eu tenho uma vida normal. Não sinto dor e não tive comprometimento de outros órgãos. Eu nunca desisti de me cuidar, mas sei que as duas possibilidades existem. Posso voltar a andar ou posso ter apenas alguns movimentos. Mas estou tranquilo quanto a isso.”

O filho de apenas 6 anos, ajuda Cleiton em atividades corriqueiras (Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)
O filho de apenas 6 anos, ajuda Abreu em
atividades corriqueiras
 

Apoio
Abreu conta que trabalhava como auxiliar de serviços gerais, mas depois do acidente se aposentou e não exerce mais nenhuma atividade remunerada. O jovem diz que para se distrair aprendeu a tocar guitarra. Ele mora em uma casa construída no fundo do mesmo lote onde vivem os pais. Ele tem um filho, Gabriel Lopes de Abreu, de 6 anos, que o ajuda com as atividades corriqueiras. “Ele me ajuda com tudo, lava a louça, me coloca sentado na cadeira, me alcança coisas quando preciso.”

Diagnóstico
De acordo com o ortopedista José Ronaldo de Assis, Abreu provavelmente deve ter sofrido uma lesão medular incompleta, caso contrário não seria possível ter recuperado os movimentos. Segundo o ortopedista, só após um ano e meio ou dois anos, passados do acidente, teria sido possível definir se o paciente ficaria defiinitivamente sem andar ou não.

Conforme o fisioterapeuta João Henrique Filho, que atualmente acompanha Abreu, o que chama atenção no caso do ex-auxiliar de serviços gerais, é a força de vontade dele. “Pela minha experiência, posso dizer que muitas pessoas nas mesmas condições de Cleiton ficariam numa cadeira de rodas. Não só pela gravidade da lesão, mas por todos os outros fatores que envolvem a situação. Existem barreiras financeiras e até motivacionais. Há pessoas que ficam deprimidas e desistem do tratamento. Ele continuou por conta própria.”

O fisioterapeuta passou a acompanhar o jovem, após descobrir a história dele. Na semana passada, ele realizou a primeira consulta e deve iniciar um tratamento semanal na Clínica da Fisioterapia da Faculdade de Guaraí (FAG).

Cleiton aprendeu a tocar depois do acidente (Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)Cleiton aprendeu a tocar guitarra depois do acidente 
Fonte: g1
___________________________________________________________

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA